Product was successfully added to your shopping cart.

História.Poesia.Emoção.Afeto.

Difícil contar nossa própria história, não é? Achamos mais interessante conhecê-la pelas palavras de uma amiga querida, que nos acompanha desde o princípio.


Quem Somos

"Sempre acreditei que as pessoas pudessem transformar o mundo através da sua sensibilidade. Conheci Mary Figueiredo nos meados dos anos 80 ao fazer uma visita profissional a seu atelier, no bairro da Serra. Sim, a diferença começava por aí; o local onde ela criava suas preciosas bijuterias, não era uma fábrica comum, ela o batizara com um nome muito mais simpático, leve, expressivo: Atelier Mary Design.

Não sei exatamente há quantos anos aconteceu este primeiro encontro. Com o tempo, veio uma convivência mais estreita e comecei a perceber que não errara em meu primeiro diagnóstico. Mary Figueiredo Arantes não era apenas uma estilista atrás de tendências que norteariam suas coleções. Ela era uma artista com a alma aberta para o mundo e para todas as manifestações que pudessem inspirar idéias diferentes. E que esses “insights” podiam acontecer a qualquer momento, ao olhar o formato de uma folha ou conferir os mistérios de uma teia de aranha. Ao ler poesia, escutar uma música ou assistir a um bom filme no cinema.

Talvez – e é o mais certo – já nascera assim, agradecida pelo dom da vida, mas talentosa demais para não tentar metamorfosear o que estava a seu redor. Ela vinha de uma família simples originária de Rio do Prado, uma cidadezinha do Vale do Jequitinhonha, era a caçula de oito irmãos. Foi em Belo Horizonte, para onde se mudaram, que conheceu o marido, José de Paula Arantes Júnior, que viria a fazer medicina.

Nesta época – e talvez muito antes – já chamava atenção pelo estilo hippie-chique com que se vestia. Ao invés de um vestido convencional, preferia usar uma camisola de cetim da mãe protegida por uma liseuse - como se usava antigamente. Acrescentava uma flor no cabelo, passava um batom bem vermelho, calçava uma sandália de salto bem alto e...escapava pela noite. Os brincos, colares, pulseiras criados à sua imagem e semelhança, gerados pelo seu gosto personalizado, despertavam o desejo de colegas e amigas. Nos meados dos anos 70, o comércio do centro de Belo Horizonte começava a migrar para a Savassi, que ainda possuía poucas lojas, mas todas elas marcadas pelo estigma da sofisticação. Dentre delas, a Via Láctea, uma espécie de templo de sedução, viria, logo depois, a abrigar toda a produção daquela moça diferente que gostava de coisas diferentes.

O futuro parecia irreversível: o casamento veio em 1980, um ano antes de sua formatura. E o apartamento em que moravam, pouco a pouco, foi se transformando em um pequeno atelier. Contas, canutilhos, miçangas, fios de plásticos e fechos invadiam a mesa de jantar...Não encontraram outra alternativa: alugaram um outro espaço e inauguraram oficialmente a Mary Design, em 1982, com Mary recém formada em odontologia. Depois de formada, ainda tentou dedicar-se à carreira que escolhera, mas estava decididamente comprometida em criar acessórios. Abandonou o consultório e, logo depois, em 1986, o marido, José de Paula, abandonava a medicina diante das boas perspectivas do negócio, que prosperava e que caberia a ele administrar com um “feeling” de um eficiente administrador de empresas. Havia um mercado instigante pela frente. Como duvidar dele?

Por outro lado, o que Mary aprendeu em odontologia serviu-lhe de base para o trabalho minucioso e paciente que empreendia com as bijuterias, utilizando pequenos alicates, montando estruturas em fios delicados, trabalhando contas menores que o pequeno universo de um dente. Sem contar que as técnicas utilizadas nas duas profissões também se assemelhavam bastante, remontavam às usadas por escultores – ou dentistas – para moldarem suas peças odontológicas...ou artísticas...

Mas o que seria da técnica, se não fosse o talento? Mary Figueiredo Arantes, artista nata, tocada pela emoção e pela diversidade da vida, é uma fonte inesgotável de idéias. Se dependesse dela, as coleções da Mary Design teriam mil ítens. Seu processo criativo envolve uma intensa pesquisa temática, onde tudo tem um fio condutor, dos desenhos à criação do catálogo, que conceitua todo o trabalho.

Múltipla, além de uma inventora fashion, Mary é uma artesã, uma fotógrafa sensível, uma cozinheira requintada de mão cheia, uma poeta inspirada, uma estilista vocacionada para objetos decorativos. Perfeccionista, amante dos detalhes, há mais de 30 anos no mercado da moda, ela vende mais do que objetos do desejo feminino. Ela explora com sutileza mágica a vaidade, o sonho de toda mulher de se tornar mais bonita, feminina e sedutora. E comanda sua equipe com energia e delicadeza, juntamente com o marido José de Paula. Contagia, com sua simplicidade, uma clientela fiel que lhe presta reverência à cada coleção."

Heloisa Aline (Jornalista)